Irlanda, Pessoal

1 ano de Irlanda

Hoje, dia 14 de agosto, faz exatamente 1 ano que cheguei em Dublin.
Quando entrei naquele avião, rumo ao meu novo país, foi aquele misto de emoções que só alguém que passou pelo mesmo vai entender. Você deixa para trás um monte de coisa, toma uma dose de coragem, respira fundo e vai. Embarca nessa aventura, nesse sonho que você sempre quis e que finalmente está ali acontecendo.
Pode parecer tudo meio romântico e bonito, morar em outro país, morar na Europa. Mas, como todas as escolhas da nossa vida, nem tudo é só felicidade, só coisas boas, tem seu lado bom e muito ótimo por sinal, mas tem o seu lado ruim também. Não é porque você vai morar em um país de primeiro mundo, em que as coisas funcionam melhor, que sua vida vai ser 100% só felicidade. Uma mudança como essas dói, não é fácil simplesmente abrir as asas e voar. Todo mundo sempre me disse que eu era essa pessoa bem desapegada, que conseguia ficar longe da família facilmente, mas de fato, isso é bem verdade. Meus pais são separados desde que eu era bem pequena, então sempre fui acostumada a ter minha família dividida, a ter saudade de umas das partes, o que me ajuda um pouco a viver longe deles agora. Mas toda essa separação dói, ser esse ser corajoso que está disposto a viver em outro país em outra cultura, tem seu preço. Não posso abraça-los quando eu quero, tenho que ver minhas duas irmãs pequenas crescerem longe de mim, a mais nova só tinha 10 meses quando eu vim pra cá e agora já anda, fala e tudo mais, estou perdendo tudo isso, todos esses momentos, mas essa foi a minha escolha, a minha ‘dolorosa’ escolha.
Eu não sinto falta da minha vida de antes, não sinto falta da minha cidade e isso só confirma ainda mais que tomei a decisão certa. Não vou dizer que nasci no lugar errado, na verdade eu nasci no lugar certo, me tornei a pessoa que sou hoje por todas as experiências de vida que tive ali. Engraçado que quando eu cheguei aqui, ouvia muito, principalmente de brasileiros, o quão não brasileira eu era por causa da minha personalidade. Isso sempre me deixava confusa, eu sou brasileira sim e sinto orgulho das minhas origens, mas eu sou uma cidadã do mundo. Eu acho que eu absorvo com muita facilidade outras culturas e acabo pegando o que me identifico mais e o que faz bem pra mim. E eu gosto de ser assim, essa mistura louca.
O que eu mais sinto falta da minha terra natal? Tirando a família, é claro, sinto muita falta da comida. Só de pensar nas comidas eu fico salivando, sério mesmo. É aquele negócio de ‘comida de mãe’, sabe?
Claro que rola comparações, principalmente no começo. Como simples coisas funcionam tão bem aqui e no meu país não? E quando você para pra analisar a situação, funciona pelo simples fato da educação das pessoas. A fiscalização é quase zero na hora de verificar quem pagou ou não o transporte público, mas todo mundo paga (pelo menos a maioria), porque não precisa ter fiscalização ou algum segurança pras pessoas demonstrarem o seu melhor comportamento, a sua educação. Não precisa ter  o segurança ali vigiando pra ninguém colocar a mão dentro da jaula do tigre, ninguém vai colocar a mão e ponto final, porque é uma coisa óbvia, não ultrapasse o que é proíbido, simples assim e não precisa ter alguém ali pra te ‘lembrar’ disso.
Toda uma nação tem seus pontos positivos e seus pontos negativos, também não é porque você tá na Europa que você vai deixar a janela do seu carro aberta, gente ruim tem em qualquer canto do mundo, não importa a nacionalidade. Tem violência, tem lixo na rua, tem sistema de saúde que não é bom, tem vários problemas também, mas é claro que em outras proporções.
Pra quem vem de uma cidade grande como eu, Dublin acaba virando quase que uma cidade de interior e é exatamente isso que eu mais gosto daqui. É a capital, mas a sua movimentação é na medida certa pra mim. Aprendi e continuo aprendendo muito desde que cheguei aqui, aprendi mais sobre a vida, sobre o mundo, sobre eu mesma. Aprendo com a cultura dos outros e também ensino o melhor de mim. Tem coisas que escola ou faculdade nenhuma vai ter ensinar, uma experiência como essa é um intensivo aprendizado da hora que você acorda até a hora que você vai dormir.  Isso é vida, isso é viver
Já peguei certas manias e gírias com os irlandeses, como muita batata e coloco vinagre na batata frita, já aceitei a chuva como parte do meu dia, peço desculpa quando esbarro ou estou no caminho de alguém mesmo se a culpa não é minha.
Eu choro, eu sorrio, eu reclamo, agradeço. Tenho meus medos, inseguranças, minhas felicidades, minha simplicidade, erros, acertos… E tanta coisa que pode acontecer em 1 ano!
Não sei por quantos mais anos eu fico, mas a certeza que tenho é que vou ser eternamente grata por esse país. Eu posso sair da Irlanda um dia, mas a Irlanda nunca mais vai sair de mim.

//You Might Also Like

//15 Comments

  1. Lid

    agosto 14, 2014 at 11:08 pm

    Que texto lindo! Eu nunca tive a oportunidade de passar mais de uma semana fora do Brasil, mas tenho uma vontade imensa. Tenho vontade de ser cidadã do mundo, igual você! Deve ser um experiência e tanto! É o que você disse, é um aprendizado que nenhuma escola, faculdade, curso, pessoa pode te oferecer. Tenho uma curiosidade imensa pela Irlanda, quem sabe um dia eu vou!

    http://www.prefirobsides.com.br/

  2. Natasha Magalhães

    agosto 15, 2014 at 12:41 am

    Um ano já? Meu Deus, como passou rápido! Achei engraçado você sentir falta da comida, porque acho que seria uma das coisas que eu menos sentiria saudades daqui hahaha. Eu não sou muito fã de comida caseira. Se deixar eu como pra sempre na rua hahaha.

    http://www.cerejasnotopo.com

  3. Débora Braga

    agosto 15, 2014 at 1:53 am

    Que post lindo!
    Não imagino como deve ser ficar esse tempo todo longe das pessoas que você ama e conhece, já que nunca fiquei rs. Mas tenho muita vontade de morar fora, ou até mesmo em outro estado, justamente para poder passar por essa experiência. Deve ser muito enriquecedor.
    Espero que continue tudo bem e você se sinta bem aí.
    Beijo 🙂
    http://www.deborabp.wordpress.com

  4. Camila Faria

    agosto 15, 2014 at 12:37 pm

    UAU Taís, já fez um ano??? Como passou rápido, pelo menos para a gente que acompanhou toda a sua mudança aqui pelo blog! Torço muito para que as coisas continuem dando certo para você aí em Dublin, esse lugar tão lindo que você escolheu para viver! <3

  5. BA MORETTI

    agosto 15, 2014 at 2:33 pm

    que testo gostoso taís 🙂
    imagino a loucura que é no começo, toda a adaptação. mas acho que no fim a gente se encaixa mesmo. que bom que deu certo pra ti viu
    e gloriadeux com a internet fica mais fácil matar a saudade da família, nem que seja só um pouquinho!

  6. Georgia Visacri

    agosto 15, 2014 at 6:46 pm

    eu não acredito que já faz um ano que você mudou, Taís, que legal!
    adorei o texto. A gente tem que ter o pé no chão sempre!
    que bom que tudo deu certo e você está comemorando o aniversário da mudança hoje ♥

  7. ingrid

    agosto 15, 2014 at 11:12 pm

    Cara, um ano! Parece que foi ontem que vi suas primeiras fotos de Dublin e as fotos da vista do seu novo quarto.

    Acho teu texto tão maravilhoso que eu gostaria de te abraçar. Sério,mesmo. Um dia espero poder conhecer você e quem sabe conheçamos Curitiba juntas. Gostaria de poder conversar sobre suas experiencias e aprender com elas, trocar o que sabemos sobre Turismo, falar sobre culturas, antropologia, fotografias e o que mais seja com uma Guiness na mesa! hahahahah

    incrível e maravilhoso seu texto, me fez criar mais coragem ainda para abrir minhas asas e ter coragem, de como você disse, viver. Com erros e acertos, isso é viver.

    No meu caso, eu não iria para Dublin, mas pretendo me mudar para o caos de concreto que é São Paulo para me formar em Moda. Viver lá o suficiente para ganhar um tanto de experiência na minha área, me saturar da correria e me mudar para uma cidade na medida para mim.

    Escrevi um comentário gigante, mas era meio impossível depois do teu texto.

    Desejo muuuitos mais anos de Dublin, Irlanda inteira ou qualquer outro país que você queira ficar; quem sabe Hungria 😉 beijos, quase-não ruiva hehehehe

  8. Bárbara Hernandes

    agosto 16, 2014 at 12:21 pm

    Oi, Taís, prazer!
    Não sei como descobri seu blog – alguém comentou dele em algum lugar e cliquei, afinal, leio tudo sobre pessoas que moram na Irlanda porque também moro aqui! 🙂

    Parabéns pelo 1 ano. A Irlanda mexe com a gente, né?

    ps.: tava lendo o seu perfil e também sou a louca das viagens e dos idiomas – é sempre bom conhecer gente que também é! 🙂

  9. Clay

    agosto 16, 2014 at 9:59 pm

    Admiro muito sua coragem e determinação.. te parabenizo não só por esse um ano, mas pelas conquistas realizadas
    E QUE VENHAM MAIS *_*

    Beijos

  10. Aline

    agosto 17, 2014 at 2:11 pm

    Que lindo, amei! Foi bom ler isso, tô num momento de ansiedade tão grande pq não vou conseguir fazer o intercâmbio esse ano (eu tinha planejado ir agora no segundo semestre, mas 2014 não tá sendo legal comigo)..ler isso me incentivou a continuar tentando. 🙂

  11. naterradaluavirada

    setembro 2, 2014 at 12:35 am

    Olá, acabei de conhecer seu blog e estou lendo aos pouquinhos. Resolvi comentar nesse post justamente porque estou passando mais ou menos pelo mesmo: faz 1 ano e 3 meses que cheguei em Montreal, no Canadá, minha nova casa. Também sempre fui super independente e já morava longe minha mãe no Brasil, entretanto, essa mudança não é fácil… No meu caso, eu sinto falta mesmo é dos amigos, daqueles antigos, que já me conhecem. Mas por enquanto, tou feliz demais e não penso em ir embora daqui…

    Abraços,
    Lidia.

  12. AnaCristina

    novembro 9, 2014 at 8:14 pm

    irlanda?? com 23 anos??? admiro muito sua coragem! eu tenho mais vontade que coragem e por isso aos 48 anos nem consegui sair da casa dos meus pais! rssrs

  13. Julia

    fevereiro 26, 2015 at 7:19 pm

    Por que você não faz aquela tag "morando fora do Brasil"? Acho que muita gente gostaria de ver.. ou caso você não queira fazer em vídeo, também dá pra fazer escrevendo as respostas só.. enfim, é só uma ideia, mas espero que você goste!

    1. admin

      março 4, 2015 at 12:00 am

      Oi, Julia! Essa tag já tá nos meus planos de fazer sim e espero libera-la por aqui logo, mas mesmo assim obrigada pela indicação.
      🙂

  14. 2 anos de Irlanda – Nýr Dagur

    outubro 2, 2016 at 4:33 pm

    […] do primeiro ano as coisas mudam bastante, no sentido de que você se sente cada vez mais parte daqui. Mesmo que eu […]

//Leave a Reply