Gastronomia

Alimentação vegetariana – como começar?

Depois de ter visto/recebido comentários e até mesmo conversado com pessoas que têm vontade de começar uma alimentação vegetariana, achei que seria legal escrever um post assim por aqui.
Eu já escrevi sobre esse assunto no blog antes, bem no comecinho da minha mudança e comentei um pouco o que me levou a mudar e como estava esse processo dos primeiros meses (post aqui). Agora que já cheguei a marca dos 3 anos sem carne, posso dizer que não vejo mais minha alimentação e vida diferentes. Foi simplesmente uma das melhores decisões que tomei na minha vida e o que eu puder fazer pra ajudar outras pessoas que ainda estão um pouco indecisas sobre isso ou as que não sabem como começar, com certeza farei com muito amor! ♥
A verdade é que não tem receitinha de bolo pra seguir e simplesmente fazer a mágica acontecer. A mudança é muito pessoal e cada um vai achar uma forma que se adequa melhor. Eu particularmente acho que não é uma mudança que tenha que ser feita da noite pro dia, ou da maneira mais rádical. O primeiro passo, sem dúvida alguma, é você querer a mudança! As pessoas podem até te aconselhar, falar pra você sobre toda a crueldade animal que envolve uma alimentação a base de carne e sua indústria horrorenda, mas primeiro de tudo, você tem que ter a consciência disso e dizer pra si mesmo que quer fazer a diferença! Só esse pensamento, já é o primeiro grande passo para começar.
Eu demorei um booom tempo pra finalmente parar de comer qualquer tipo de carne, foi aos poucos que eu fui largando e acabou sendo de uma maneira bem natural. Não foi coisa de semanas, foi anos tentando fazer com que isso realmente acontecesse, as vezes parava algumas semanas, voltada de novo e assim ficava. Até que um dia eu coloquei na cabeça que eu iria me esforçar mais e iria fazer essa mudança acontecer.
O segundo passo foi parar com todas as carnes vermelhas, o que pra mim foi super fácil e não senti falta alguma. Depois fui largando o frango, que era o que eu mais comia, pensei que eu não conseguiria, mas pra minha surpresa também não senti falta depois que parei. O meu desafio mesmo era o peixe, eu gostava bastante, não é pra menos que foi o último da listinha. Nas primeiras semanas só com o peixe, minha mãe só queria saber de fazer todos os tipos de peixe pra mim em casa.. e bem, ela não tava ajudando! hahaha
Tive que explicar pra ela que o objetivo era ir diminuindo e não comer mais, já que era minha ‘única’ opção do momento. É legal também, se você morar com alguém e que esse alguém é quem cozinha a maioria das refeições,  ter uma conversa e fazer com que a pessoa entenda a sua escolha, caso não seja uma conversa satisfatória, coloque você a mão na massa! Minha mãe me apoiou e no inicio nem ela comia muita carne, talvez, se eu ainda tivesse morando com ela conseguiria trazê-la pro lado negro da força pra esse mundo lindo vegetariano. Logo após um tempinho eu também consegui parar com o peixe, mas esse, não vou mentir pra vocês, eu senti muita falta.
Eu não me arrependo um segundo de ter cortado carne pra sempre da minha vida, por mais que no começo seja difícil, a gente se sente meio perdido pra comer, ou que no lugar que moramos não ofereça tantas opções pra vegetarianos assim, aquele sentimento de estar contribuindo de uma certa forma para que menos animais sejam maltrados no mundo… não tem preço, sabe?
Nessas vezes de parar e voltar com carne antes, eu tentei do modo radical e parei com todas de uma vez, e no final das contas, acabava voltando. Mas só foi nessa de parar aos poucos que me fez nunca mais querer comer carne. Pra mim funcionou assim e acho que é uma maneira natural de mudar, e também, uma solução pra quem não consegue parar assim um hábito que crescemos e vivemos a vida inteira acostumados.
Lembrando que, não sou nenhuma especialista no assunto e na área de alimentação. Essas são apenas minhas opiniões e o jeito que funcionou pra mim! Se você ainda tem muitas dúvidas sobre o assunto e como se adaptar a uma dieta vegetariana, procure um profissional que entenda desse tipo de alimentação e livros também.
É uma mudança linda, eu garanto pra vocês.. E existe sim um mundo delicioso pra gente comer sem precisar matar os animais e fazê-los sofrer de uma forma que não consigo nem por em palavras o quão horrível é só pelo ~mero prazer~ em comer carne. Fora tantos outros motivos mais que só fazem essa mudança alimentar ser MUITO positiva na sua vida.
>>>  Vocês gostam de comidas vegetarianas? Qual tua preferida? E para os vegetarianos… como foi a mudança pra vocês? Contem pra mim! 🙂

//You Might Also Like

//13 Comments

  1. Unknown

    janeiro 26, 2016 at 1:40 am

    Taís, eu saí do armário esse ano! Eu sempre tive tendências vegetarianas, mas sempre que diziam que eu tinha cara de vegetariana eu ficava na defensiva, dizendo que eu comia de tudo e amava umas carninhas e talz. A realidade cruel das animais sempre me tocou muito, eu não consigo assistir nem uma árvore sendo cortada, imagine um animal, mas eu tinha medo de ser rotulada de chata, modinha, ridícula…Enfim…Esse ano foi o ano que resolvi sair do armário, eu sei que é pouco tempo, mas de verdade eu não sinto falta nenhuma de carne, talvez daqui uns dias eu tenha vontade de uns sashimis (peixe é muuito bom mesmo). Acho que é extremamente importante para quem está na fase de transição a substituição adequada de proteínas. Como eu malho, posso até dizer que malho pesado, e faço yoga diariamente, eu precisei substituir bem os alimentos com alto teor proteico, e posso dizer que foi uma das melhores coisas que fiz. Não me sinto fraca, aliás me sinto super leve e sinto o meu organismo mais limpo e funcionando muito bem. Acho a dieta vegetariana/vegana super criativa e em alguns casos até mais gostosa que a convencional.

    Abraços virtuais, adoro seu blog!
    Ágata S.H.K.

    1. admin

      janeiro 26, 2016 at 9:43 pm

      Ágataaa que lindo te ver por aqui, amei ver você comentando, obrigada mesmo ♥
      E que legal que tu mudou tua alimentação, não sabia e fiquei bem feliz! E super concordo, é muito importante mesmo fazer a substituição adequada de proteínas, eu falhei um pouco quanto a isso no começo, mas sempre tento comer o melhor possível, tô na luta, pq ando comendo muita porcaria e de novo, não prestando atenção em comer as coisas certinhas.
      Eu tb senti meu corpo muito mais leve e funcionando melhor depois que parei de comer carne, é muito bom se sentir assim né?

      Beijo :*

  2. Thayse Stein

    janeiro 26, 2016 at 11:28 am

    Que legal você partilhar seu relato aqui, eu de vez em quando falo sobre alimentação no blog, porque tenho várias intolerâncias e acho que no quesito alimentação, cada ser humano é um universo diferente do outro. Fui vegetariana por cinco anos, pensando mais na questão de que não sabemos de onde a carne vem, chega tudo super empacotado pra gente, um corte, um pedaço… Claro que é assim com todos os produtos industrializados, mas todo o processo cruel com o animal, a questão da carne picotada ali, acho muito foda. Mas nunca concordei com essa ideia de que somos seres que não devem comer carne, porque vemos isso no mundo animal, com muitos mamíferos, que se alimentam de outros animais. Isso é absolutamente natural, mas acho que a maneira como fazemos é errada, sabe? Enfim, minha opinião pessoal. Acho que se cultivássemos, se eles tivessem a oportunidade de ter uma vida livre, como numa fazenda, a mesma coisa o cultivo de plantas, acho que seria mais tranquilo e saudável, seria um ciclo mais natural. Parei principalmente porque descobri que não posso comer muitas coisas e fazendo duas faculdades nunca tive tempo pra parar e me cuidar, pensei que depois daria pra resolver. Mas lá em casa, apesar de apoiarem, ninguém colabora muito. É todo mundo muito condicionado ao hábito. Eu tive, esses tempos, mesmo comendo carne, insuficiência de B12, sendo que quando era vegetariana nunca tive isso, então, honestamente, só não volto por uma questão de "preciso organizar minha vida". Outra questão, que se fala muito por aqui: "se amam uns, porque comem outros?" (é uma campanha bem forte pelo vegetarianismo, que já vi em outdoors e em ônibus), relativa a comparação com os animais domésticos: eu sou bem radical em relação a isso, é até complicado me expressar, mas eu sou contra termos animais de estimação, acho que isso é muito egoísmo do ser humano, sabe? Acho que os animais tinham que viver com outros animais e livres – tipo uma vez eu li uma reportagem que na Itália existia um campo em que viviam vários cachorros e as pessoas só iam lá brincar com eles e alimentá-los, mas eles conviviam só com outros cachorros. Sei que estamos muito distantes disso e eu tenho cinofobia (medo completamente irracional de cachorros, não consigo chegar perto), então pra mim, é mais fácil de ver um mundo de casas sem cachorros – mas nunca jamais eu defenderia qualquer tipo de crueldade ou ignorar qualquer situação de abuso. O que quero dizer é que a maioria dos animais não vive num espaço adequado e acaba sendo muito egoísmo do ser humano querer tê-los por perto (não me entenda mal, mas pensa, principalmente agora no verão, tem vários soltos na praia aqui em Floripa, onde é proibido – já que eles transmitem doenças para as pessoas por mais saudáveis que eles estejam, pois é o humano que fica vulnerável -, mas ninguém respeita o espaço do outro, só pensa em si, mas parece que o mundo inteiro padece desse mal). Enfim, acho que o vegetarianismo engloba tudo isso e muito mais, por isso mencionei, acho muito interessante falar sobre isso 🙂


    Beijos
    brilhodealuguel.com

    1. admin

      janeiro 26, 2016 at 9:50 pm

      Thayse, eu adorei seu comentário, como já te disse lá pelo fb e já fomos bater um papo sobre isso! hahah
      tb acho legal e bem interessante falar sobre essas coisas e tá sempre trocando informaçoes e opiniões, é bem importante sabe?
      E o vegetarianismo como o veganismo vão muito além do que só alimentação, a gente começa aos poucos e vai abrindo os olhos pra muita coisa e vai mudando tb, fazendo de tudo pra não contribuir com tamanha crueldade e essa industria de alimentos que é um absurdo!
      Tb acho super errado querer manter um animal domesticos em condições absurdas, como por exemplo cachorros enormes vivendo em apartamento ou lugares super pequenos. Meu pai quando pegou a nossa cachorra, uma sheepdog enorme, ele morava numa casa super pequena, eu morria de dó dela, mas ainda bem que mudaram pra uma casa maior e até foram pro interior, assim ela pode ter um meeeeeega espaço pra ela. Em um mundo perfeito seria assim mesmo, os animais vivendo livres e na deles e os humanos os respeitando ♥

    2. Ágata S.H.K.

      janeiro 27, 2016 at 2:31 pm

      Oi, Thayse, tudo bom?
      Achei muito interessante seu ponto de vista dos animais…Já tinha pensado de modo bem passageiro que os nossos pets faziam parte de um desejo egoísta nosso, mesmo porque eles no estado atual não são o que eram originalmente, muito de sua genética foi modificada justamente para agradar aos nosso olhos e nos entreter, tendo consequências que passam de geração para geração e não poderão ser corrigidos…Enfim…O que eu realmente gostaria de dizer é sobre a criação dos animais para consumo da carne, couro e outras partes mais. Eu também acredito que o natural é comermos carne. Mas o modo de criação deles, o abate é tudo muito cruel. Eu comeria a carne se ela fosse totalmente orgânica, ou seja, os animais vivendo no pasto, em seu habitat natural e os homens literalmente 'caçando' como era no passado. Acredito que o abate também seria bem diferente. Acho que não seria essa chacina, mas como que pedindo desculpas, sentindo de verdade que aquele animal tinha uma vida, tinha uma família e que estaria sendo sacrificado para virar nosso alimento. Tem um negócio que se chama agrofloresta, que acho que seria perfeito para os animais, se puder pesquisar sobre isso as palavras chaves são: agrofloresta, sintropia, ou até mesmo Ernst Gotsch…Enfim…Longa história, esse assunto é muito mais complexo e poderíamos nos estender por horas, mas como a Taís disse, adoro essa troca de opiniões e informações, obrigada por proporcionar isso e por ter encontrado alguém que tem uma linha de pensamento parecida com a minha.

      Abraços!

    3. Thayse Stein

      janeiro 28, 2016 at 1:10 pm

      Nossa, eu juro que achei que ia ser apedrejada, porque uma vez mencionei essa história dos cachorros com uma menina que estudava comigo e ela disse que eu era louca por achar que a maioria das pessoas não deve ter animais :/ É meio complicado, eu não quero julgar ninguém, sei que esse processo é irreversível, somos os responsáveis por eles, nós que fizemos isso. Então, acho que o mais perto da redenção que poderíamos chegar é liberta-los e ir aos poucos encerrando esse mercado absurdo em torno dos pets (venda de animais, um negócio muito lucrativo hoje em dia, abandono de animais, mal trato ou até mesmo deixar os animais em condições ruins, como é o caso da falta de espaço, má alimentação, isolamento e pouco contato com a espécie, coisas do tipo). Inclusive super indico um episódio de Cosmos, tem no Netflix, é o 2º, chama "Algo que as Moléculas são Capazes de Fazer" (Some of the Things That Molecules Do) e fala sobre a domesticação dos lobos, como ocorreu a transformação deles ao longo do tempo e a "parceria" com os humanos. E sim, queria muito poder acreditar que as pessoas se mobilizariam um dia sobre tudo que cerca elas, principalmente alimentação e tudo que ela envolve, seria incrível se tivéssemos um processo mais natural de alimentação, sazonal, realmente nutritivo, balanceado, fresco e acessível. Tenho pensado bastante nisso ultimamente e como já sabemos, as mudanças começam por cada um de nós, então espero cuidar melhor do meu corpo e começar a preparar comidas diferentes e mais ~vivas~, porque além de nos fazer muito bem, faz bem pro mundo 🙂 Muito bom poder discutir isso com vocês. Obrigada! Beijos.

  3. Diário de uma Teimosa

    janeiro 26, 2016 at 2:35 pm

    Eu tenho pensado bastante em me tornar vegetariana, mas ainda não consegui me abdicar de comer carne. Entretanto, estou indo aos pouquinhos. Por exemplo, durante a semana eu como carne de nenhum tipo, mas aos finais de semana, se vou a um restaurante bacana, eu aproveito para comer. Entretanto, tenho percebido que meu organismo não tem aceitado muito bem quando a ingiro. Às vezes, o cheiro me deixa enjoada. Acredito que aos pouquinhos conseguirei mudar esse hábito, tanto para ter uma vida mais saudável como para ajudar o meio ambiente.

    E a propósito, que graça é o seu blog, hein? Cheguei nele através de outro blog e adorei. Parabéns! O conteúdo é muito bom!

    Beijos.

  4. Julie Chagas

    janeiro 26, 2016 at 4:06 pm

    Que legal Taís! Um dia quero tentar ir diminuindo a quantidade de frango que como, acho que seria bom por conta da quantidade de hormônio que eles possuem. Não como carne vermelha nem de porco, pois são duas coisas que eu não gosto mesmo. Acho bacana esse estilo de vida vegetariano e quem sabe, um dia eu consiga =)

  5. Alessandra

    janeiro 26, 2016 at 8:10 pm

    Que legal esse post, Taís! Bom, eu não como carne vermelha desde os 9 anos de idade (com exceção do burguer grill do McDonalds que como por causa do respectivo que ama e a gente acaba comendo lá uma vez por mês). O frango eu parei de vez há 4 meses e os frutos do mar eu ainda como. Porém, em casa a maioria das receitas que faço são vegetarianas. Ainda sou bem mirim nas receitas, sei fazer poucas coisas. Inclusive, se tiver blogs, sites, canais no YouTube pra me indicar, eu super aceito. Beijos.

  6. Camila Faria

    janeiro 28, 2016 at 2:46 pm

    Oi Taís, acho que quando a gente passa a ficar responsável pela nossa própria alimentação, quando a gente começa a comprar e preparar a nossa comida de cada dia, essa escolha fica mais fácil. Eu não sou vegetariana, mas reduzi demais a quantidade de carne que eu consumo, desde que fui morar sozinha. A gente passa a comprar mais conscientemente, passa a se importar com o que coloca dentro de casa (e dentro do nosso corpo). Lindo seu depoimento!

  7. Lara Melo

    janeiro 28, 2016 at 9:36 pm

    Acho muito interessante a filosofia vegetariana, mas por uma questão de saúde não posso cortar a carne totalmente da minha vida, mas já estou sem comer carne vermelha a bastante tempo e manero bastante nas outras.

    http://whoisllara.blogspot.com.br/

  8. Anônimo

    janeiro 30, 2016 at 4:45 pm

    Muitas pessoas param de comer carne por amor aos animais, mas esquecem que a indústria do leite e dos ovos exploram e escravizam animais tanto quanto a indústria da carne. Acredito que o vegetarianismo seja só uma transição para o veganismo. Cada um tem seu tempo, às vezes demora (eu mesma demorei quatro anos pra me tornar vegana) o que não dá pra acontecer é ficar acomodado! Bjos e muita força pra quem está começando.

  9. Fernanda Prestes

    fevereiro 1, 2016 at 6:47 pm

    Olha, confesso que futuramente serei uma adepta dessa modalidade.. é uma coisa que reflito, penso e sei que é a melhor escolha. Por enquanto tô nessa fase inicial de diminuir a quantidade.. porque penso igual..não existe uma fórmula mágica. 🙂

//Leave a Reply