Ano novo em Seoul

Começando os posts sobre minha viagem na Coreia do Sul, decidi que esse seria o primeiro, pra contar como foi essa experiência de ter passado uma virada de ano por lá.

A escolha desse destino não teve direta relação com a celebração de Ano Novo, não estávamos indo pra lá com esse objetivo principal. Mas, essa era a época que estávamos indo e obviamente quis ver como os sul-coreanos comemoram essa data.

A verdade é que na Coreia do Sul eles se baseiam no Calendário Chinês/Lunar, então o ano novo lunar (normalmente no começo de fevereiro) pra eles é muito mais importante do que o 1 de janeiro.

Como já morei com uma coreana, eu sabia também que nessas datas de 31/12 – 01/01, os coreanos passam ao lado da família (como se fosse um natal, digamos assim).
E aí, fiquei pensando no que poderiamos fazer de comemoração nossa e fui pesquisando as opções. Cogitei até a possibilidade de ir pra alguma balada e dançar Kpop loucamente (risos)

No dia 31 de dezembro fizemos uma trilha de 4 horas para subir uma das montanhas de Seoul. Na volta (já era umas 18h), estávamos muuuito cansados e ainda tínhamos que fazer um super rolê pra chegar na nossa acomodação. Fizemos couchsurfing por 3 dias na parte norte da cidade, mas no dia 31 iríamos pra um hotel na parte sul. A coisa toda de ir pegar nossas coisas, jantar e atravessar a cidade demorou. Chegamos, tomamos banho e quem disse que a gente tinha forças de fazer algo? Já era lá pra umas 10 da noite e por causa do jetlag ainda, essas horas eu já tava caindo de sono.

Mas… a minha curiosidade era muito maior, afinal, quando que a gente iria passar uma virada de ano na Coreia de novo? Talvez nunca. Tava um frio absurdo lá fora, mas convenci o boy da gente sair pra conferir o Bosingak Bell Ringing.

Avisaram pra gente que o negócio lota muito e que era melhor mesmo assistir pela televisão. Mas tava com aquele pensamento de ~tá na chuva é pra se molhar~ e fomos. Até hoje não acredito que saímos do quentinho do hotel e morto de cansados, pra enfrentar uma multidão de gente (o boy nunca vai me perdoar por isso hahaha).

Já era um pouco mais de 11 de noite quando criamos coragem pra sair do hotel e chegamos lá na celebração faltando uns 5 minutos pra meia noite. A estação que descemos pra chegar no local estava abarrotada de gente. E a estação era ali, na cara do gol onde acontecia a cerimônia.

O sino fica ali dentro
Essas duas fotos não são minhas, são da Alexis

Mas antes, deixa eu explicar o que é o tal do Bosingak Bell Ringing. O Bosingak é um sino grandão construído na dinastia Joseon. E nessa época, o sino era tocado pra informar os horários que os portões se fechavam e abriam. Seoul tinha 4 portões principais e que através deles você tinha acesso pra entrar e sair da cidade. Quando era 4am, eles tocavam o sino 33 vezes pra avisar que era o fim da noite e o começo de um novo dia. Não sei exatamente o motivo de ser 33 vezes, mas li que tem relação com o Budismo e a Deusa da Misericórdia que aparece em 33 formas pra salvar a humanidade. Se alguém souber com mais detalhes, conta aí nos comentários! ♥

Nos dias de hoje, tocar esse sino 33 vezes simboliza o fim e o começo de um novo ano, desejando coisas boas nessa passagem. Interessante, né? E já que estava em Seoul, queria ver essa cerimônia.

imagem via IBT times

Quando chegamos na estação e vimos aquele mar de gente, automaticamente veio aquele mega arrependimento. Mas nada como vários anos de treinamento no horário de pico na Estação da Sé em São Paulo pra me preparar pra enfrentar essas situações na calma.

O problema foi que a estação era exatamente no local, assim que colocamos os pés na rua, não conseguimos mais nos locomover e ali ficamos. Era uma multidão no nível que você não conseguia nem colocar as mãos no bolso direito, de tão apertado que tava. Pensando pelo lado bom, a gente nem sentiu os tantos graus negativos que tava fazendo. Tem que rir pra não chorar, né?

E falando em rir, me deu um ataque de riso muito grande com toda aquela situação. A gente ali mega esmagados e eu sem conseguir ver o tal do Bosingak pois: anã de jardim.

A coisa toda aconteceu tão rápida e foi hilário:
Chegamos e poucos minutos depois já começou a contagem regressiva, em coreano, obviamente. E como a contagem era em coreano, não sabíamos quando que terminava (kkkkk), descobrimos que era meia noite quando todo mundo gritou. Não sei como, mas consegui tirar o celular do bolso e entreguei pro boy filmar o acontecido (tem lá nos stories do meu instagram). Assim que terminou a contagem e as badaladas do sino, fomos automaticamente jogados pra dentro da estação de novo, sem escolha de nadar contra aquela maré. Estávamos bem na entrada já que quando saímos não tinha como seguir pra outro canto. E com o fim da cerimônia, a galera veio em peso pra estação.

Demoramos uma meia hora pra chegar lá e pra voltar foi mais de 1 hora porque tava uma loucura o metro em Seoul aquelas horas. E quanto tempo ”curtimos” e ficamos na cerimônia? Uns 10 minutos. hahaha
Poderíamos ter visto tudo (e melhor) pela TV no conforto da cama maravilhosa daquele hotel. Enfim, virou uma história pra contar!

Se você leu até aqui e um dia for passar a virada de ano em Seoul e queira ver o Bosingak Bell Ringing: não leve coisas de valor, leve o mínimo possível com você, a Coreia é segura, mas multidão é multidão. Pra pegar um lugar bom, tem que chegar bem cedo, o problema é que vai estar muito frio, então se prepare!

Uma coisa bem legal que me falaram é que os coreanos costumam ir em peso ver o sol nascer no dia 1 de janeiro no litoral (ou de alguma montanha). Se um dia eu tiver a chance de passar uma virada de ano na Coreia de novo, vou querer me programar melhor pra fazer isso também! ♥

E vocês, ficariam no conforto pra ver o Bosingak pela tv ou se jogariam na multidão também? (respondam a segunda opção, por favor. haha)

Comments

  1. Hahahah nossa, que aventura!
    Eu sou bem do tipo “tá na chuva é pra molhar” então iria também, certeza! Só ficaria decepcionada com ficar tao pouco tempo fora hahahahha
    Muito legal esse negócio do sino… e ver pela TV pode até ser mais quentinho, mas isso vc pode fazer de qualquer lugar do mundo né? hahahahah
    Beijoss!
    Feliz 2019 <3

  2. Taís é super aventureira! Só você pra sair da cama pra ir ver as comemorações haha

    Mas tenho esse mesmo pensamento. Se está na chuva é pra se molhar. O negócio é aproveitar o máximo e poder dizer com orgulho que sim, você estava lá, mesmo que por 10 minutos haha

Trackbacks

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

© 2019 Nýr Dagur · by MinimaDesign