I’ll see you in another life when we are both cats

Até poucas horas atrás eu não tinha muita certeza se deveria publicar este post. Mas eu acho que mesmo que seja um post muito difícil de escrever (mesmo que curtinho), ele merece de certa forma estar aqui.

Acredito que a maioria das pessoas que frequentam meu blog ou que me seguem nas redes sociais viram que meu Baltazar se foi no começo de janeiro. Estou recuperada do choque inicial da perda, mas com certeza é algo que ainda me doi – e acho que sempre vai doer. E não quero nem pensar como vai ser chegar na casa da minha mãe quando for ao Brasil e não encontrá-lo.

Não queria também que este fosse um post triste e prometi pra mim mesma que não iria chorar.

Baltazar chegou em casa com quase dois meses e tivemos o privilégio de tê-lo em nossas vidas por 10 anos. Morou em duas casas diferentes, viu minha irmã crescer e já teve uma cachorra com o triplo do tamanho dele como melhor amiga. Até em pub Baltazar já foi!

Diferente do que as pessoas que não sabem sobre gatos adoram falar, que gatos não se apegam aos donos, Baltazar era muito apegado na gente. Eu passei três anos sem vê-lo, só tendo contato pelo Skype e quando tivemos nosso reencontro ele me reconheceu. Parecia que eu nunca tinha saído de casa. Ele lembrou das nossas brincadeiras, esfregava o nariz dele no meu dedo (coisa que ele só faz comigo e com minha mãe), dormia comigo e claro, pra não perder o costume, ficava bravo porque queria o maior espaço na cama.

O meu maior medo desse reencontro com ele foi ele me ignorar, não lembrar de mim e me tratar como uma estranha. E foi exatamente o oposto que aconteceu. Expliquem essa, haters de gatos!

Baltazar foi um gato muito amado, tanto eu quanto minha mãe tratavamos esse bebê de quatro patas como se fosse um filho. Eu sabia que ele não iria viver muito mais que 10 anos, pelas complicações de saúde que ele já teve, mas é surreal parar pra pensar, que aquela coisinha dos olhos arregalados que eu amo tanto já não existe mais nesse mundo.

Ele vai existir pra sempre no meu coração, nas minhas memórias e nas fotografias que tirei dele ao longo desses anos. Uma coisa que nunca consegui explicar era como parecia que ele me entendia. Sem falar, apenas com o olhar, parecia que ele sabia o que tava acontecendo comigo. Fora também que Baltazar adorava ficar no quarto comigo ouvindo Sigur Rós enquanto eu trabalhava. São tantos momentos especiais juntos! E como foi difícil também ficar longe, chorava de saudade, não podia ver um gato na minha frente!

Baltazar, espero que você tenha tido uma vida muito feliz com a gente. Porque a minha vida ficou mais feliz quando você chegou.

(fotos do nosso último encontro)

IMG_8454IMG_8445IMG_8450IMG_8449IMG_8464IMG_8477IMG_8483

Obrigada, bebê!
I’ll see you in another life when we are both cats. ♥

Comments

  1. :(((( sinto muuuito Taís!!! também perdemos nosso cachorrinho no final do ano (quase 15 aninhos!) e dói muito mesmo perder esses serzinhos que só nos dão amor! O que conforta são as lembranças felizes que guardamos deles <3 e com certeza ele também foi muito feliz com voces! beeijos

  2. Aah, meu coração… Perder esses amorzinhos de 4 patas é doloroso demais, né?
    Tenho certeza que ele foi muito amado e feliz, sorte dele ter encontrado uma família com tanto amor pra dar…
    Beijos, Taís!

  3. Essas fotos acabaram comigo, por fim sou eu que estou quase chorando aqui.

    Ai Taís é horrível perder alguém querido, mas lembre-se dos bons momentos juntos e ele sempre será uma lembrança feliz. ♥

  4. Sinto muito por sua perda. Também perdi minha gatinha um tempo atrás e realmente a dor da partida é horrível.. Acabei adotando outra gata, que me ajudou muito a superar o vazio que ficou, talvez essa seja um dica.. As fotos ficaram lindas e o texto conseguiu passar muito bem todo o sentimento.

  5. Nossa, eu acho que gatos são muito inteligentes e lembram das pessoas, bem como se apegam sim! Também não entendo quem fala que eles não ligam… eles são tão espertos, mas ao mesmo tempo gostam de uma boa preguicinha, realmente deve ser bom vir numa vida de gato… se eu vier assim também vou ficar feliz de conhecer o Baltazar. Ta, que mágico que tu conseguiu ir pro Brasil e ter esse reencontro com ele antes dele partir, né? Essas fotos vão ficar de registro pra sempre do seu companheiro de tanto tempo. Que bom que publicou esse post <3


    Beijos

  6. Que bonito texto!
    Espero que vocês se recuperem logo da perda do Baltazar, e certeza que ele está no céu nos animais muito feliz 🙂
    Eu tenho um gatinho em casa a pouco tempo, fiquei anoooos sem ter nenhum bichinho de estimação, e estou feliz com ele, ele é super carinhoso.
    Enfim, amei as fotos. O Baltazar era lindo <3

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

  7. Perder um animalzinho é a coisa mais dolorosa que eu já presenciei na minha vida, porque era MUITO apegada a minha gata. Foi horrível, lembro até hoje que fiquei doente de tanto que chorei 🙁 Ele realmente é um gato esse gatinho ta! Muito lindo, você tem sorte de ter um gatinho que pudesse compartilhar tanto amor assim. ♥
    Ele deve estar lá no céu muito feliz e olhando sempre por ti.

  8. own, taís, que triste. bichinhos fazem a vida da gente mais feliz… e acho que ensinam a gente a ser melhor.
    tive uma cachorrinha que ficou com meus pais quando me mudei pra cá. como você, também morri de medo de näo ser reconhecida quando voltei pela primeira vez. mas meu medo foi bobo. luna sempre foi täo cheia de amor.
    já säo 2 anos que ela morreu. tive a sorte de poder me despedir.
    e sim… a saudade fica.

    • Ahh 🙁
      Sinto muito pela sua Luna, Ana
      E sim, a saudade fica, sempre vai ficar.. e vamos sempre lembrar com tanto querido desses nossos companheiros, né? <3

  9. Já tive dois cachorros que foram embora velhinhos… agora tenho três gatos e eles chegaram a conviver com a cadela. Era lindo.
    Ter a companhia de animais é maravilhoso demais.
    É sempre uma tristeza ter que se despedir desses queridos, mas é sempre um privilégio enorme dividir um pedacinho das nossas vidas com eles.
    A gente fica bem, mas com muita saudade…

  10. Poxa, Taís. Sinto muito!
    Quando perdi meus pets, eu fiquei devastada. Eles fazem uma falta na vida da gente, né? </3

Trackbacks

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Instagram @nyrdagur

© 2018 Nýr Dagur · by MinimaDesign