América do Sul, Viagens

Potosí – e seus 4.090m de altitude

Acordamos por volta das 05:30 da manhã e fomos tomar um desayuno no Mercado Central de Sucre para seguir viagem, o próximo destino era Potosí e tínhamos que ir até o terminal de ônibus ver os horários pra poder comprar as passagens.

Achamos um que iria sair dentro de meia hora. Nos terminais além de comprar a passagem você tem que pagar a taxa da rodoviária (varia, mas normalmente é bem baratinho -1,50 bolivianos).

E foi na hora de pegar o troco das passagens que a gente pensou que já seriamos enganados pelos bolivianos malandros, o cara tinha que devolver 2 bolivianos de troco e sabe o que ele fez? Pegou o nosso dinheiro, trocou, devolveu trocadinho e pediu pra gente pagar agora que estava trocado – um tanto quanto confuso- ficamos sem entender o que ele fez, mas no final das contas estava tudo certo e não fomos enganos.  A viagem inteira brincamos dizendo:   Bolívia o país de contrastes e o país que não tem troco’  e é sempre bom já pagar tudo trocadinho pra não correr esses riscos de ser enganado na hora de cambiar seu dinheiro, fiquem espertos!

A viagem até Potosí foi meio tensa, estrada um pouco perigosa, ônibus apertado, parecia que não chegava nunca.

Chegamos no hostel (simples, dasayuno razoável… mas não gostamos muito) e deixamos nossas coisas pra ir almoçar e conhecer a cidade – foi aí que altitude começou a dizer oi. MUITA falta de ar, você respira e parece que o ar não é suficiente, tudo se torna cansativo como por exemplo comer ou subir uma escada. E no meio disso estra a hoja de coca! No começo ela é muito ruim e é bem amarga, mas depois você vai acostumando e ela meio que adormece sua boca, o resultado? Você fica mais disposto e alivia todos esses sintomas causados pela altitude.

– Detalhes de uma Potosí que já foi a cidade mais rica do mundo-
3 mochilao-005 _mg_4985

Potosí é uma cidade declarada Patrimônio Histórico da Humanindade e pelas ruas você vê os detalhes de uma cidade que foi dominada pelos Europeus. Surgiu pela descoberta da prata e era a maior produtora do mundo, sendo considerada também a mais rica do mundo deixando Paris e Londres para trás.  Quando os espanhóis chegaram na América do Sul e descobriram Potosí sua história mudou. 
– Montanha (minas) de Cerro Rico ao fundo
2 mochilao-008 _mg_5024

Não fizemos o passeio para conhecer as minas de Cerro Rico, achamos que seria meio puxado e também ali você vê todo trabalho árduo dos mineiros e não queríamos carregar aquela lembrança das situações precárias que esses mineradores passam, mas de fato seria muito interessante pela experiência, então fica a dica pra quem tiver  oportunidade.

Passamos rapidinho na Casa de la Moneda, mas não estramos no seu Museo só tiramos algumas fotos.

mochilao-009 mochilao-011 mochilao-013 _mg_5038 _mg_5040

Fizemos outro passeio que vale muito a pena na Iglesia e Museo Mirador San Francisco, um passeio guiado muito legal, ali tá toda a história da cidade e dá pra viajar um pouco no tempo e imaginar como era tudo aquilo.

-Muito bonito o local, uma pena que começou a chover muito-
mochilao-021 mochilao-022 _mg_5071

A parte mais legal também foi visitar a cripta, que na época eles enterravam os espanhóis ~ricos~

 -O que restou dos espanhóis-
_mg_5075 _mg_5079 _mg_5082 _mg_5090

– O mirador que a gente não aproveitou muito por causa da chuva
_mg_5099

Não gosto de lembrar dessa chuva que nos molhou muito, nossas roupas ficaram molhadas e geladas e não iriam secar até o dia seguinte, nunca passei tanto frio! Voltamos para o Hostel para nos secar e ficar quentinhos e depois sair pra jantar, pensei que iria morrer de tanto frio e não é exagero!
Posso estar falando besteira mas acho que a altitude interfere na hora de cozinhar os pratos, nossos pedidos demoravam horrores para chegar e normalmente só tinha uma pessoa atendendo, um fato curioso que presenciamos em quase 99% dos restaurantes que fomos em toda a viagem.

Quando a noite chegou os sintomas da altitude só pioraram, nós não conseguimos dormir direito com muita falta de ar, dores de cabeça e enjoo, também o frio continuava e forte – ainda bem que nosso saco de dormir não nos deixou na mão. Tomamos os devidos remédios e claro a hoja de coca, mas não compramos Sorojchi Pills, o remédio pra mal de altura.

O dia seguinte chegou e nossa vontade era logo de ir para o próximo destino, ficamos desanimados por causa da chuva, a nossa estadia em Potosí poderia ter sido melhor sem ela!

Uyuni era o próximo destino e este era o nosso transporte! Destaque para o bagageiro e os pneus carecas.
_mg_5106

Sentiram o clima? Aveeentuuuuura hahahaha
Êêê vida de mochilheiros!!!

//You Might Also Like

//8 Comments

  1. fabio hide

    fevereiro 13, 2012 at 2:28 am

    Se eu não tivesse passado tão mal em Potosí, iria gostar bastante da cidade!
    Seus posts estão ficando muito legais amori, dá vontade de passar por tudo de novo! 🙂
    Sempre que bater as saudades, vou entrar aqui!

  2. Ed

    fevereiro 13, 2012 at 6:55 pm

    Que pena que a chuva atrapalhou tanto, sem contar na dificuldade em se adaptar a 'viver' em um lugar tão alto assim x). Mas as fotos ficaram lindas, já quero um emprego pra juntar dinheiro e mochilar pela América do Sul, hehe.

  3. Camila

    fevereiro 13, 2012 at 9:51 pm

    Gente eu fico aqui morrendo de inveja vendo essas fotos *-* Dá vontade de juntar uma grana e ir direto pra lá.
    Muito lindo mesmo.
    As ruas são tão estreitas >.<

  4. Gabriella

    fevereiro 15, 2012 at 12:33 am

    Que lugar lindo, que lindas fotos. Quero ir pra láaa!
    ps: amei o cãozinho.

  5. Ba Moretti

    fevereiro 17, 2012 at 11:37 pm

    Experiências que eu quero pra minha vida! Morro de inveja vendo essas fotos e a vontade de viajar só fica mais aguçada.

    Adorei as fotos e eu AMO te cabelo. (já deve ser a milésima vez que falo isso mas né)

  6. .

    março 2, 2012 at 6:11 pm

    Deu uma falta de ar só de imaginar vocês lá! Bom que tem como dar um jeito nisso…Mas é complicado né.
    Incrivel essa cidade, os detalhes são incriveis, bom que virou patrimonio histórico.E o mais lindo ainda é a montanha ao fundo…

    Eu morreria de medo dessa cripta, não por ser uma cripta…mas sei lá, deve dar uma certa claustrofobia! hahaha

  7. La Paz e Tiwanaku – Nýr Dagur

    setembro 30, 2016 at 11:18 am

    […] estávamos viajando por um tempinho e ficamos acostumados com grandes altitudes, depois de encarar Potosí, La Paz não faz nem […]

  8. Últimos dias em La Paz e Chacaltaya – Nýr Dagur

    outubro 2, 2016 at 6:04 pm

    […] do povo! Confesso que fiquei com falta de ar só de ver os jogadores correndo, quando estávamos em Potosí subir uma escada era como correr uma maratona, imagina correr mesmo. E quando estávamos lá […]

//Leave a Reply