Europa, Islândia, Viagens

Reykjavík

A capital da Islândia é também a capital mais ao norte do planeta, Reykjavík fica perto do Círculo Polar Ártico e mesmo pela sua localização, podemos considerar que é uma cidade até que ‘quente’, as temperaturas não são tããão baixas assim (mas isso é assunto pra um outro post). Outra coisa favorável devido a sua localização, comparando com outras capitais nórdicas, é que de Reykjavík é possível ver a Aurora Boreal quando a intensidade está forte e as situação climática colabora.
A pronuncia do nome é bem simples, só essa escrita linda que ‘assusta’ um pouquinho. Leia-se ‘reiquiavique’ em uma versão mais brasileira ou ‘reiquiavík’ (escute aqui a pronuncia em islandês) no seu idioma original.
Ali na capital foi onde tudo começou, não foi atoa que escolheram lá pra ser a capital do país,  foi por ali que os primeiros colonizadores começaram a se instalar. É a maior cidade da Islândia e também a mais povoada, se eu não me engano quase 70% da população total do país vivem lá e seus arredores. Reykjavík é o coração da Islândia, é lá que tudo acontece.

É em Reykjavík que está concentrada as atividades políticas, as universidades, o comércio, grandes indústrias/empresas e todo aquele ‘agito’ e o que a capital de um país tem. Porem, é uma cidade bem pequena e tem aquele ar de interior. Mas já vou logo avisando, o que tem de pequena, tem de incrível e é super rica culturamente. É uma cidade muito artística, você já logo percebe por essas cores todas que tomam conta das casas, dos detalhes, da arte de rua… Tem muita música, muita arte, as galerias, museus, os cafés e lojas de roupas, decorações e tranquerinhas num geral, músicas, os bares, piscinas termais etc. é simplesmente incrível o tanto de coisa que uma cidade pequena como esta tem pra oferecer.

No post Eu e a Islândia comentei que estava com esse sentimento não de turista, então eu não fotografei muita coisa, como por exemplo mais detalhes da rua principal (e o monumento principal também, olha isso! haha), a arte de rua que é incrível, os bares, as casinhas e todo canto de Reykjavík que eu me enfiei. Foram poucas as fotos da Islândia como um todo, assim, pouca pra mim que sempre tiro muitas, acabou que esses momentos ficaram guardados só comigo. Mas como esse é o meu lugarzinho no mundo, não fiquei desesperada querendo registrar tudo, queria aproveitar o momento do meu jeito, porque sei que eu vou voltar e fazer tudo que eu não consegui, como por exemplo,  visitar o museu do pênis. hahahaha sim, até isso você encontra por lá!Eu sou super suspeita pra falar desse lugar, é o meu lugar perfeito, uma capital bem tranquila e com tudo que eu gosto.

É uma cidade litorânea, então o mar tá sempre por perto, é uma delícia caminhar por ali e ver o mar, as montanhas ao redor com neve, o porto, é tudo muito bonito. O hostel ficava bem em frente e tinha essa vista linda aí. Logo alí também já fica o famoso monumento chamado Sólfar (sun voyager), que eu não tirei uma foto turistona na frente, vai ficar pra próxima.
Impossível não se encantar com as casinhas coloridas e cada detalhe, caminhe por todas as ruas, deixe a capital da Islândia te evolver do jeito que só ela sabe, preste atenção até nos mínimos  detalhes e becos, você sempre vai achar uma street art, uma cor, um hidrante com sorriso,  gatinhos ou alguma coisa que vai  te arrancar um sorriso e fazer agradecer por conhecer uma cidade tão única assim.
A água da Islândia é considerada uma das melhores do mundo e eu vou ter que concordar muito com isso. A  água de torneira é incrível, sério, nunca tomei uma água tão boa na vida. Sempre que vamos para outro país é importante tomar esses cuidados e nunca tomar água de torneira para evitar algumas chateações, você não sabe como aquela água é tratada e se é segura para beber, mas na Islândia você não precisa se preocupar, beba água de torneira como se não houvesse amanhã! Ouvi dizer que na capital ainda nem é tão boa assim, que no interior é melhor ainda. Nem consigo imaginar, deve ser a água dos deuses mesmo, haha, não tive oportunidade de beber a água no interior, direto das nascentes e riachos (tava tudo congelado :P), mas pra quem for, não deixe de provar!
A água gelada é pura das nascentes e não tem quase nada ou zero de interferências químicas, como o cloro. Além de não fazer mal, o gosto é muito bom, mas é sempre bom abrir a torneira e deixar a água correr um pouco e se certificar de não misturar com a água quente. A água gelada e quente vem de diferentes fontes, a gelada é ótima pra beber, já á quente é ótima  só para os banhos. Vale mencionar que a água quente lá cheira a enxofre (peido ou ovo podre, como você preferir), então não se assuste se você sentir esse cheiro, é normal, o cheiro é por conta da origem geotermal dessa água, que é maravilhosa para a pele. Mesmo com o cheiro, você não vai sair do banho cheirando a enxofre, não se preocupe. E o nível de enxofre na água não é perigoso, muito pelo contrário… Não é atoa o tanto de spa e piscinas termais que você encontra em Reykjavík e pelo país, é  uma experiência maravilhosa se banhar nas águas quentinhas. Observação para as piscinas que têm na cidade e que são baratinhas, vale muito a pena ir (a estação é o inverno, mas não esqueça de levar roupas de banho!!!)
Eu adorava reparar a decoração das casas, sempre dava pra ver algo bonitinho pelas janelas. Esse estilo nórdico de decoração é uma graça, queria sair batendo  na porta de cada casa e pedir pra visitar dentro (sim, sou dessas!). Como o inverno islandês é bem escuro, você sempre vai ver umas velas bonitinhas decorando a janela e como era natal, sempre tinha algo iluminado, pra deixar o longo e escuro inverno mais feliz.
Tive oportunidade de conhecer não só ali no centro, fui também pra um bairro mais afastado e bem residêncial (sem registros fotográficos, só na memória), foi uma experiência muito legal e posso dizer que sim, eu visitei uma casa islandesa, não essas coloridinhas do centro, mas a casa tinha toda uma estrutura diferente e eu gostei bastante.  É engraçado como os  bairros em Reykavík são bem espaçados, separados por rodovías que ligam uns aos outros, não é tudo um coladinho no outro.
Os islandeses são super friendly, ainda mais se você gosta do país e demonstra interesse, eles adoram ficar conversando sobre as coisas de lá. Nem precisa dizer o quão incrível foi pra mim, né? Porque eu adoro saber detalhes que pra muita gente não seria interessante, como por exemplo, eles estudam tanto o inglês como o dinamarquês na escola, assim, do mesmo jeito. Mas você vai encontrar muito mais gente que fala inglês, eles simplesmente pegam mais uma língua do que a outra, mesmo estudando as duas da mesma maneira. Outra coisa que é incrível, todo mundo, todo mundo mesmo, fala inglês. Qualquer lugar que você vai, você vai achar alguém que fala inglês super bem.Tem gente que nunca saiu do país, alguns no máximo foram pra Dinamarca ou Noruega (a localização da ilha deixa viagens uma coisa bem cara), eles não têm muitas influências de outras línguas por lá, já que não tem muuuuitos estrangeiros que vivem no país. Então eles só falam islandês mesmo, mas mesmo assim, o nível de inglês deles é absurdo. O viking por exemplo, aprendeu inglês  assistindo desenhos animados quando era criança e nunca mais esqueceu, mesmo não praticando muito. Incrível, não? Então não tem o que se preocupar, você não precisa aprender o básico de islandês pra viajar pra Islândia, você tendo inglês, não terá nenhum problema.
 (Significa: Feliz Natal)
Antes de ir eu fiz uma listinha de lugares que queria visitar, mas não segui nenhum pouco o meu roteiro. Mas eu vou indicar mesmo assim os lugares que eu não fui, porque sei que vale a pena, como por exemplo, o  Kolaportið flea market. Só abre aos finais de semana e tem muita coisa bacana, foi uma pena não ter conseguido me programar melhor pra ir. Fica perto do porto, é bem fácil de achar,  lá você encontra  de tuuuudo e muita coisa interessante como livros, comidas típicas, roupas, bebidas, objetos de decoração etc. National museum of Iceland, Saga museum, Reykjavik art museum… também entram nessa lista, se você quer ver algo diferente, tem o museu do pênis também.
O coração de Reykjavík é a sua rua principal: Laugavegur (será que vocês conseguem ler ali na plaquinha? )
Eu não tirei quase nenhuma foto lá, mas a Laugavegur também é uma atração da cidade, não tem como não ir. Lá tá todo o comércio, os bares, as lojas, os cafés.. é incrível . Perdi as contas de quantas vezes subi e desci essa rua e não consegui ver tudo que eu queria, tem muita coisa legal. Ah, e também a rua que fica paralela, que sobe pra igreja Hallgrímskirkja.
Para compras, obviamente já dá pra imaginar que tudo vai ser caro, para roupas por exemplo, os nativos sempre recomendam ir ao shopping que fica fora do centro da cidade, tem que pegar um ônibus pra chegar lá. Uma das minhas roommates precisava de uma bota de neve melhor e o próprio vendedor de uma loja disse pra ela ir em uma outra no shopping que era mais barata.
 
Os bares lá são muito legais e vale a pena se aventurar e conhecer a noite islandesa da capital. Já avisando que os islandeses bebem muito, a cerveja lá era proibida e só depois de 1989 que os islandeses puderam beber cerveja tranquilamente, outro aviso também é que… ai, meu bolso na hora de beber, é caro e não é em qualquer supermercado que você acha bebidas mais baratas, eles têm umas lojas específicas pra vender bebida alcoólica. Não façam como eu que comprou uma bebida achando que era cerveja ‘nossa que barato, vou levar’ e no fim era uma bebida não alcoólica e comemorativa para o natal, não era boa e acabei levando umas 4 latas. A cerveja Viking não é muito boa também, é a segunda pior como eles dizem, a pior eu esqueci o nome, mas é uma que eles compram bastante quando vão acampar porque é mais barata. Recomendo tomarem a Einstök e também experimentar a vodka islandesa Reyka.
Se eu fosse recomendar um bar que todo mundo deveria ir, seria uma tarefa difícil, porque eu gostei de todos que eu fui, entre eles, Prikið, Dillon, Boston, Lebowski e o próprio Kex bar que era o hostel que eu fiquei, alem de ser mais barato, a gente já tava em casa mesmo e o ambiente é muito legal e confortável.  Lembrando que em Reykjavík o movimento maior só começa depois da meia noite, se você for mais cedo e ver tudo vazio, não se assuste, o pessoal sai tarde mesmo. Você só encontra movimento mesmo na Laugavegur, fora dela parece uma cidade fantasta à noite, claro que por conta do inverno também, no verão isso muda já que sol se poe depois da meia noite.
Sem esquecer também de explorar os cafés, é um mais gracinha que o outro, como o Café Babalú e Laundromat (que funciona uma lavanderia dentro!!!).
Não deixem de apreciar a arte que está em cada canto e de sentir essa vibe artística que a cidade tem, mesmo que você não goste de bar, não deixe de visitar pelo menos um pra conhecer, é tudo tão interessante e diferente.
É dfícil fazer um post pequeno e simples pra falar da minha cidade favorita do mundo inteirinho, vou falar melhor a respeito de outros lugares em outras postagens separadas. Já ficou enorme sendo que eu tirei poucas fotos e não visitei tudo (imagina se tivesse??).
Mas uma coisa vocês podem ter certeza: é impossível não amar Reykjavík.
É uma cidade (e o país no geral) onde todo mundo que passa fala bem, você quase não escuta nenhum comentário negativo. É tudo muito lindo e acolhedor, um lugar que a gente guarda no coração porque é amor demais.
I love this city in all its ways ♥

//You Might Also Like

//18 Comments

  1. Kah Souza

    janeiro 14, 2015 at 12:48 am

    Preciso dizer que de ler tudo com todo esse amor que você escreve da Islandia, eu (que mal a conhecia) já to ficando apaixonada, sério.
    Essas casinhas coloridas são muito amor, ver o branquinho da neve em contraste com o azul do mar é simplesmente sensacional – sem falar dos detalhes, como daquele hidrante sorrindo (GENTE?!).
    Muito, muito, muito amor esse post e todas essas informações.

    Beijo!

    1. admin

      janeiro 14, 2015 at 9:36 pm

      <3 Ah esse hidrante é muito amor, impossível passar por ele e não dar um sorrisinho também hihi

  2. Juliana Demos

    janeiro 14, 2015 at 12:33 pm

    Ja vou logo avisando que quero uma postagem sobre o museu do pênis… Quando se fala de capital ja lembro das grandes cidades, nunca imaginaria que essa seria uma, pensamento meio leigo! Adorei o lugar, ele tem um charme único, pena que as coisas são meio carinhas, mas só de ir para ver eu ja ficava feliz!!!

    simplesmenteassimj.blogspot.com

  3. Chez B.

    janeiro 14, 2015 at 1:22 pm

    Aurora Boreal <3

    Acho lindo o seu amor pela Islândia! As fotos estão lindas, nunca pensei em conhecer, mas lendo e vendo sobre Reykjavík, é impossível não ter vontade!

    Beijos,

    Bruna
    http://www.chezb.com.br

  4. Camila Faria

    janeiro 14, 2015 at 5:40 pm

    Que sonho de lugar Taís! Esse clima de cidade pequena (e grande ao mesmo tempo) me encanta, quero muito conhecer um dia!

  5. naterradaluavirada

    janeiro 14, 2015 at 7:47 pm

    Yay! Finalmente as fotos da viagem! =D Que ficaram maravilhosas, by the way… Me senti viajando um pouquinho com você através desse post… 🙂

    Sabe que eu também sou dessas que quando viaja tenta espiar pela janela alheia para ver a decoração? Morro de vontade de bater na porta e pedir para ver a casa da pessoa por dentro, a doida. Também gostei de saber que os bares & afins por lá começam a ficar animados mais tarde, pois essa é uma coisa que eu detesto em Montreal: tudo aqui termina cedo. Até boates e coisas do gênro começam a expulsar as pessoas as 2 da manhã, acho super estranho! Bar então, 1 hora da manhã já está tudo "de final", "espuma branca varrendo seu pé", como diria Cazuza.

    Não vejo a hora de conhecer a Islândia!
    Beijos,
    Li.

    1. admin

      janeiro 14, 2015 at 9:38 pm

      Aqui também fecha tudo cedo e eu acabei me acostumando com isso.. lá eu ficava meio perdida com essa historia de sair mais tarde hahahahhaa

  6. Priscilla Barreto

    janeiro 14, 2015 at 9:32 pm

    Taís,
    encontrei seu blog por acaso e me encantei. Me senti "viajando" nos seu posts. Muitas dicas bacanas, posts bem escritos e interessantes com certeza seu cantinho é vida inteligente na blogosfera vou passar sempre por aqui de agora em diante.
    Nossa que lugar maravilhoso!
    Por um instante foi como estar viajando com uma amiga por esse lugar tão lindo. E as fotos eu adorei! Espero um dia poder ir até ai.

    Beijos,
    Pri

    http://www.styledchicas.blogspot.com.br

    1. admin

      janeiro 14, 2015 at 9:40 pm

      Priscila, que comentário mais maravilhoso é esse?? Muito obrigada mesmo, fez meu dia. Fico muito feliz em saber que tu gostou e passou aqui pra deixar amor em forma de comentário, espero que volte mais vezes <3 e que um dia você também possa estar lá 🙂
      Um beijo!

  7. Bárbara Hernandes

    janeiro 14, 2015 at 10:38 pm

    GENTE, QUE CIDADE MARAVILHOSA!
    Taís, você já me convenceu de ir pra Islândia há tempos, mas depois desse post, já tô mandando email pro namorado com links de passagens aéreas (risos). Não, mas sério, pareceu sensacional. Pelo que você fala o povo é muito educado, simpático, bacana. E as fotos, que fotos maravilhosas! E essa neve, meu deus? Lindo demais. Deve ser muito diferente do que a gente tá acostumada tendo nascido e crescido no Brasil… encantador! Amei esse post e estou adorando tudo isso sobre a Islândia!

  8. Lolla

    janeiro 15, 2015 at 1:25 pm

    Quero muito conhecer, tá na lista faz tempo e já tô anotando as suas dicas. 🙂 Ir nessa época de Natal certamente deixou sua visita ainda mais mágica e perfeita. E eu totalmente teria vontade de bater nas portas pedindo pra entrar também, sou fã do scandi decor. ♥ Acho que se eu oferecesse uns biscoitinhos pros donos da casa teria alguma chance de conseguir, haha.

  9. suuh

    janeiro 15, 2015 at 1:44 pm

    Suas fotos, esse lugar… que coisa maravilhosa! Sempre morri de vontade de conhecer esses países ~frios~ e lendo seus posts sobre, essa vontade só aumenta! <3

  10. Paula A.

    janeiro 15, 2015 at 3:13 pm

    Ai dona Taís… tô me apaixonando pela Islândia cada vez mais graças a você. As fotos ficaram lindas, estou deslumbrada com as montanhas depois do mar. ♥♥♥

  11. Marcela

    janeiro 16, 2015 at 1:49 pm

    Ai que post delicioso. A cidade mais ao norte que conheci foi Tromsø, mas eu fui no verão então tinha pouco gelo hahahaha. Estou juntando todos os meus centavinhos pra explorar mais círculo polar ^_^

  12. peliculacafeinada

    janeiro 22, 2015 at 4:26 am

    Ai que lindas as fotos, Tah! *-* quero ir também!!! D:

  13. Noites em Reykjavík – Nýr Dagur

    março 15, 2016 at 12:08 am

    […] As noites também eram feitas pra ir explorar os pubs locais, a vida noturna da capital islandesa é simplesmente demais demais! Com certeza vale a pena separar uma noite pra ir sentir isso, ou todas as noites, por que não? Já falei um pouquinho sobre isso no post sobre Reykjavík. […]

  14. Quarto de Viagem - Pelas ruazinhas de Reykjavik

    agosto 17, 2016 at 10:03 pm

    […] você é fã da Islândia recomendo ler os posts da Taís, ela fala com muita propriedade sobre o país e a capital. Não é mito falar como os islandeses […]

  15. Strokkur – Geysir – Nýr Dagur

    outubro 2, 2016 at 4:40 pm

    […] mesmo cheiro que você sente quando vai tomar banho na Islândia: enxofre. No post que fiz sobre Reykjavík contei um pouquinho sobre isso, que é normal a água quente de lá ter esse cheiro. Também já […]

//Leave a Reply