Tbilisi, a capital da Georgia

Fomos pra Tbilisi agora no verão europeu e passamos 2 dias e meio por lá (+1 dia extra que fizemos um bate volta). Eu poderia ter ficado muito mais tempo, a cidade me conquistou demais!

Tbilisi é uma capital vibrante, pitoresca, localizada em um vale e com uma Old Town super lindinha! Ela abriga povos de várias culturas e etnias, apesar da religião ser a cristã ortodoxa, você vai ver uma mistura muita grande de outras fés também. Pra mim é difícil classificar Tbilisi (e a Georgia como um todo) em uma coisa só. Existe uma identidade muito única, apesar de ter uma atmosfera diversificada. Me lembrou um pouco o mediterrâneo, leste europeu e oriente médio. Sei lá, só vivendo Tbilisi mesmo pra sentir sua mágica.

Não definimos um roteiro exato pra explorar a cidade. Fizemos as coisas de acordo com o momento. Nesse tempo dava pra ter visto mais coisas sim, mas fomos na calma. O calor era forte e pra gente que não consegue lidar muito bem com temperaturas acima dos 30 graus é complicado, tem que pegar leve se não o corpo não aguenta.

Eu não registrei tudo e acho que nem tirei tantas fotos assim. Vou mostrar apenas um pouquinho do que vimos. Espero que seja o suficiente pra despertar em vocês a vontade de conhecer essa cidade tão legal.

Visitamos a fortaleza chamada Narikala, que fica bem no centro de Tbilisi. Essa fortaleza é do século 4 e era uma citadela persa. Grande parte foi construída mais tarde pelos árabes e depois georgianos, turcos, persas foram tomando conta. Hoje em dia podemos ver suas ruínas, já que depois de uma explosão de munições russas ela foi bem destruída, deixando apenas alguns de seus muros.

Para subir lá você pode ir andando ou pegar o cable car. Ficamos com a segunda opção, já que subir qualquer morrinho com aquele tempo super quente era passar mal na certa. Na volta, descemos a pé mesmo e foi mais tranquilo.

Andamos um pouco pelas ruinas e também vimos a igreja de St. Nicholas que fica lá dentro da fortaleza. Não foi um passeio que conseguimos aproveitar todo seu potencial, visto o calor que tava. Foi sofrível! Mas mesmo assim valeu a pena ir e também ver aquela vista maravilhosa da cidade de Tbilisi.

De lá é interessante descer pelo distrito de Abanotubani, que fica aos pés da fortaleza. Essa área tem uma importância histórica muito grande. É lá onde ficam os banhos de enxofre (sulfur baths), que de acordo com uma lenda, foi lá que o rei Vakhtang Gorgasali achou as nascentes de água sulfurosa e ordenou que ali fosse construída uma cidade (Tbilisi, no caso né). O nome Tbilisi em georgiano antigo significa ‘quente/lugar quente’ e é uma referência à essas nascentes termais.

Essa região é muito bonitinha e faz parte da Old Town, apesar de ser bem turística, é bem interessante de conhecer. Não chegamos a ir em nenhum Sulfur Bath, fica pra uma próxima oportunidade. Lá também tem uma cachoeira (isso mesmo, no meio da cidade)!! É a Leghvtakhevi waterfall que vai formando um riozinho por Abanotubani. Que lindeza de lugar!

O alfabeto georgiano é lindo demais!

Ao voltar pra avenida, ande até a Bridge of Peace, uma construção super moderna com uma vista bem legal pro rio Mtkvari, dá pra ver a fortaleza e a Old Town.

rio Mtkvari

Nós fomos também até a Catedral de Sameba. Essa é a principal catedral da igreja ortodoxa georgiana e o motivo de ir até lá foi pra experimentar uma bebida típica da Georgia. Essa bebida é chamada de Lagidze water, criada por um aprendiz de famarcêutico chamado Mitrofan Lagidze, que lá por volta de 1887 quis criar uma mistura de xaropes naturais com água gaseificada. A receita deu tão certo que essa bebida é hoje considerada patrimônio cultural da Georgia. Ela é conhecida também como a ”limonada georgiana”, não mistura leite nem nada e é feita com diversas frutas. Ela é gostosinha, provei acho que dois sabores, mas esqueci quais agora hehe (e acabei nem tirando foto)

Na área externa da catedral tem um restaurante chamado Lagidze Water que serve a bebida e umas comidas típicas da Georgia.

Catedral de Sameba

Este não vai ser um post super completo de coisas pra fazer em Tbilisi. Essas foram as únicas coisas mais turísticas que fizemos na cidade. A outra parte do tempo ficamos relaxando, conhecendo pessoas e planejando voltar. Com mil ideias pra passar mais tempo na Georgia. Tbilisi é uma cidade pra se curtir na calma e o fato da gente não ter se desesperado pra sair visitando tudo, é uma bela desculpa pra voltar, ainda tem muito o que explorar!

Organizamos encontros com o pessoal do Couchsurfing e foi muito legal. Conhecemos tanta gente bacana e acabamos criando uma rotina de se encontrar durante as noites. Nosso local de encontro era o Fabrika, uma antiga fábrica de costura durante a União Sovietica. O lugar foi transformado em um hostel e um espaço cultural. Com lojinhas, bares e restaurantes. Até brincamos que o Fabrika era tipo um ”buraco” que sempre sugava a gente, era difícil sair de lá. Era tão legal!

Nos hospedamos uma noite lá num quarto para quatro pessoas e gostamos bastante. O hostel é enorme, limpinho e tem um espaço maravilhoso. Achei que pra dormitório o preço tava ótimo, mas pra quartos individuais (ou casal no caso), vale mais a pena ficar em Airbnb.

Fiz umas fotos da área externa durante uma manhã.

Entrada, o local é cheio de street art
a decoração é tão legal, tanto dentro quanto fora

No Fabrika eles também oferecem um café da manhã bem bom e mesmo se você não estiver hospedado, você também pode comer por lá. A Georgia não tem muito uma cultura de café da manhã, com comidinhas e tal. Então o Fabrika é uma boa escolha pra comer coisas de café da manhã e não uma comida mais pesada.

Tbilisi tem ficado muito popular entre os nômades digitais. 94 nacionalidades podem ficar 1 ano na Georgia sem visto (brasileiros inclusos) e aparentemente é fácil conseguir um visto de residência, pra quem quer ficar mais tempo e não quiser ficar saindo e entrando do país pra renovar esse 1 ano toda hora. Conhecemos várias pessoas que foram pra ficar algumas semanas apenas e já estavam mais de 1 ano vivendo em Tbilisi. O custo de vida é barato e o país é lindo!

No caso de quem trabalha com a internet, pode abrir uma pequena empresa e conseguir residência. Parece que não tem uma burocracia mega complicada por lá não, pelo que eu entendi das nossas conversas com os locais de outras nacionalidades. Achei isso tudo bem interessante, não que eu esteja planejando me mudar pra Georgia, mas bem que me passou pela cabeça passar um tempinho por lá (tanta coisa linda pra ver, socorro haha). Só sei que quando ver um amigo(a) que está sem saber o que fazer da vida, vou mandar ir pra Tbilisi haha

ainda no Fabrika

Tbilisi foi sem dúvida alguma minha capital favorita na região do Cáucaso e que com certeza vou voltar! ♥

(veja meu vídeo sobre a Georgia aqui)

Comments

  1. Que cidade linda, amei! Muito legal saber essa coisa do visto para o nomadismo digital.. quem sabe um dia né Tááá! ahahaha não seria nada mal passar um aninho nessa região. Lindo <3

  2. Oi Thaís, tudo bem?
    Que cidade linda!!! Amei a vibe dela, em especial da Fabrika!!! Seria um lugar que eu com toda certeza ficaria horas. E essa beleza de cachoeira dentro da cidade? Que lindo! fico imaginando como deve ser viver aí em um momento mais ameno, sem tanto calor, deve ser uma delícia.
    Abraços,
    Ava

    • Oi Ava! Quero muito ir pra lá com um tempo mais fresquinho mesmo, com certeza deve dá pra aproveitar mais 🙂

  3. Olá Taís!
    Belos registros, é ótimo poder viajar um pouco por essas imagens e seus relatos e ter uma olhar especial sobre este lugar.
    Certamente Tbilisi é um local que nunca pensei em conhecer, mas agora já me parece um destino interessante. Cidade cheia de belos detalhes e histórias.
    Ótima semana para vc 🙂

    • Obrigada pelo comentário, Rodrigo!
      Tbilisi é uma cidade muito interessante e vale super a pena conhecer. Fiquei feliz de saber que te despertou interesse 🙂

  4. Eu não sabia sobre esse detalhe das nacionalidades na Georgia! Muito interessante, de verdade. Que lugar lindo, cheio de cultura, street art e construções históricas (o meu tipo favorito, vale dizer). Não conhecia o alfabeto georgiano também, achei muito curioso.

  5. Menina, eu nunca tinha ouvi falar dessa cidade e bem pouco sobre a Geórgia, nada que eu me lembre! Amei conhecer um pouquinho mais e gostei mais ainda de saber dessa facilidade de vistos para brasileiros =)
    Esse última foto desse Grafite, ganhou meu coração!

    Beijos!
    Gábi

    • Não conhecia esses filmes, Cá. fui olhar aqui e parecem muito bons
      Obrigada por suas dicas sempre maravilhosas :*

  6. Ai, já quero conhecer o Fabrika um dia. Quantos cantos incríveis e quantos cliques pra o queixo ficar no chão. Fico babando com seu olhar poético e tão detalhado para tudo. Ler cada detalhe dos seus relatos é sempre tão gostoso e faz com que seja possível sentir que viajamos um pouco, que saímos de onde estamos e pudemos sentir cheiros, visualizar locais… ai, uma lindeza. Obrigada por mais essa belezura.

    http://www.semquases.com

    • Obrigada pelo comentário, Vanessa.. fico feliz em saber que vc se sente viajando junto comigo. E espero que vc conheça o Fabrika um dia sim

      🙂

Trackbacks

Leave a Reply to Ava Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


Notice: genesis_footer_creds_text is deprecated since version 3.1.0! Use genesis_pre_get_option_footer_text instead. This filter is no longer supported. You can now modify your footer text using the Theme Settings. in /home/jw1nrhfa/public_html/wp-includes/functions.php on line 4716

© 2019 Nýr Dagur · by MinimaDesign